Agendamento
Telefone: (55) 11 3062-0517

Carcinomas oculares da conjuntiva

Carcinomas oculares da conjuntiva, também chamados de carcinoma espino-celular (CEC), são tumores malignos que podem acometer a camada superficial do olho, a conjuntiva. Estas lesões podem aparecer como pintas ou inflamações locais, que podem crescer e se tornar elevados e com veias dilatadas. Se não tratados podem crescer e se tornar tumores grandes, como o da foto acima.

O que causa este tumor?

Não se sabe ao certo. Alguns fatores como exposição a luz solar (ultra-violeta) por muitas horas por dia durante muitos anos, além da infecção pelo vírus do HPV, podem contribuir para o aparecimento destes tumores. Estes carcinomas de conjuntiva também são mais frequentes em pacientes imunodeprimidos (como os pacientes que realizaram transplante de órgão, os que recebem quimioterapia ou os pacientes com HIV / AIDS).

Como tratar?

O tratamento destas lesões é a remoção cirúrgica, com técnicas especiais que diminuem a chance da lesão voltar. O material removido é encaminhado ao patologista, que confirma o diagnóstico de carcinoma e verifica se todo o tumor foi removido. Nestes casos a mesma cirurgia confirma o diagnóstico e já trata o paciente. Se o resultado da biópsia for de margens livres, ou seja, que não sobrou tumor na superfície do olho, o paciente está curado. Em alguns casos pode ser necessário o tratamento com quimioterapia tópica, em forma de colírio, para erradicar o tumor. Nestes casos costuma-se usar colírio de medicamento chamado Interferon ou Mitomicina, por tempo variável que é determinado pelo médico.

Em alguns casos o tumor pode invadir a parede do olho e outros tratamentos, como a aplicação de radioterapia na forma de braquiterapia ou feixe externo, podem ser necessários.

Artigo e vídeo produzidos pela equipe da Clínica Belfort. Proibida reprodução parcial ou total sem autorização. Este artigo e vídeo contêm apenas informações gerais sobre doenças oculares. Este texto não substitui a avaliação por médico oftalmologista.