1. Existe injeção no olho? Para que serve?

2. Ler com pouca luz traz algum tipo de conseqüência à visão? E a radiação do monitor?

3. Ler muito ou escrever em computador causa algum problema à visão?

4. O que causa miopia? Vai piorar com o passar dos anos?

5. É aconselhável operar a miopia? Há algum risco nesta cirurgia?

6. O que são miopia e hipermetropia? E astigmatismo?

7. A partir de que idade a vista começa a "ficar cansada"? Tem como evitar?

8. O uso de lentes de contato, em vez de óculos, causa algum tipo de problema? Quando não é indicado seu uso?

9. Lentes de contato coloridas para "mudar a cor do olho" são prejudiciais à visão?

10. Por que algumas pessoas apresentam uma pequena membrana branca que recobre determinada parte do olho? O que é isto e como tratar?

11. Sensação de areia no olho? Quais as causas e o que significam?

12. Qual o motivo de enxergar um pontinho preto ou "mosquinha" na visão?

13. O que causa o escurecimento da visão quando uma pessoa se levanta rapidamente?

14. Em que caso é freqüente a alteração lacrimal?

15. O que determina a cor dos olhos de uma pessoa?

16. Qualquer uma pessoa pode ter catarata? A catarata cega?

17. O que é uveíte?

18. Em um acidente, os olhos podem saltar da cara?

19. O que acontece se o olho for furado?

20. Como contraímos uma conjuntivite? Ela sempre é contagiosa?

21. Pálpebras caídas e papadas nos olhos trazem algum tipo de conseqüência à visão? É aconselhável a cirurgia plástica?

22. Em que situação realiza-se um transplante de córnea? O sucesso é garantido?

23. Visão dupla é problema oftalmológico ou neurológico?

24. Existe alguma característica específica da dor de cabeça de origem ocular? Em que situação ela costuma se manifestar?

25. O que é fotoceratite?

26. A AIDS costuma provocar alterações oculares?

27. Quais as causas dos derrames que surgem nos olhos? Pode trazer conseqüências ?

28. Quando devo levar meu filho no oftalmologista?

29. Já existe evidência científica de que o tratamento com células tronco funcione no tratamento de doenças da retina?

30. Quando devo procurar um oftalmologista?

31. O que é o estrabismo?

32. Quais são os tipos de estrabismo?

33. O estrabismo é um problema apenas de "olho torto"?

34. Quais são os sintomas de estrabismo?

35. Como tratar o estrabismo?

36. A ambliopia pode ser tratada até que idade?

37. Nadar com os olhos abertos faz mal?

Respostas

1. Existe injeção no olho? Para que serve?

Sim. Alguns remédios precisam ser injetados dentro ou perto do olho para tratar doenças de maneira adequada.

Os remédios mais comuns são os "anti-VEGF" e os corticóides. Os anti-VEGF tem nome comercial de Avastin (o nome da droga é bevacizumab), Lucentis (nome da droga é ranibizumab) ou Eylea (nome da droga é aflibercept) e são utilizados para doenças da mácula, degeneração macular relacionada à idade, diabetes e oclusão de vasos da retina. Os corticóides, principalmente a triamcinolona, servem para tratar doenças inflamatórias do olho, chamadas uveítes, mas também podem ser usados para tratar outras doenças como alterações da retina pelo diabetes.

Apesar de parecer doloroso e ser assustador, a injeção de remédio no olho geralmente dói muito pouco e é bem tolerada pela maioria dos pacientes. A aplicação é segura, com mínimos riscos relacionados à infecção. O procedimento é realizado com anestesia local (colírio anestésico) e só é necessário anestesia geral em crianças.

Vamos discutir o efeito de cada um destes remédios dentro do olho na coluna ao lado (por exemplo: Diabetes, Oclusões venosas, etc), este artigo tem como objetivo responder à dúvida sobre aplicação de remédio no olho de maneira geral.


2. Ler com pouca luz traz algum tipo de conseqüência à visão? E a radiação do monitor?

Antigamente acreditava-se que ver televisão de perto ou ler com pouca luz podiam trazer problemas à visão como, por exemplo, causar miopia. Isso não é verdade, ler com pouca luz não faz nenhum mal à visão. Com a idade fica mais difícil ler sem luz e muitos adultos acham foi a leitura sem luz adequada que piorou a visão para perto. Hoje sabemos que as crianças conseguem ler sem luz adequada e isso não faz mal.

Alias, hoje também sabemos que nem mesmo os monitores de TV e dos computadores emitem radiação que prejudica os olhos. O mesmo vale para os iPhones e tablets, eles não fazem mal à visão além de cansar os olhos se usados por muitas horas. Iluminação adequada melhora o conforto visual, principalmente depois dos 40 anos, mas ler com pouca luz não faz mal aos olhos.


3. Ler muito ou escrever em computador causa algum problema à visão?

Não!

O olho não apresenta nenhum problema por ser usado muitas horas. Isso não causa nenhuma doença dentro do olho, mas pode causar ressecamento ou deixar o olho cansado. Algumas pessoas, especialmente as com hipermetropia ou astigmatismo tem maior tendência de cansar durante a leitura.

É nessa situação que um par de óculos pode ajudar, dando conforto visual. Muitas pessoas acham que "usar o computador por muitas horas faz mal aos olhos, causando catarata ou miopia", mas isso é um mito.


4. O que causa miopia? Vai piorar com o passar dos anos?

Como regra a miopia é genética, mas também pode ser influenciada por fatores sociais como frequência de leitura. O olho míope não enxerga nitidamente a longas distâncias, quanto maior a miopia, mais perto está o foco do paciente sem óculos. Normalmente a visão do míope para perto é ótima.

Na maior parte das vezes a miopia é causada pelo olho que "cresceu demais" e isto explica porque na grande maioria dos casos a miopia aparece na adolescência, quando os jovens estão na fase de crescimento. Ainda não existe nenhuma maneira de prevenir a miopia, mas alguns remédios estão sendo testados.

Um míope precisa de lentes corretivas para ver bem à distância. A correção geralmente é realizada com óculos ou lentes de contato - estas maneiras oferecem boa visão com custo e risco mínimos para a saúde dos olhos. Também é possível tratar a miopia por meio de cirurgia, dependendo do grau e do formato e espessura da córnea do paciente. A técnica mais moderna é a realizada com laser do tipo excimer. A cirurgia é uma opção somente para pacientes com grau estável, geralmente depois dos 20 anos de idade.

Para os pacientes com exame normal, que fala a favor do bom resultado cirúrgico, a visão costuma fica excelente depois da cirurgia.


5. É aconselhável operar a miopia? Há algum risco nesta cirurgia?

A cirurgia de miopia já é realizada há muitos anos e hoje sabemos muito sobre quem devemos operar ou não. Como regra a cirurgia é muito segura e confiável. Existem técnicas diferentes para a cirurgia, sendo que as mais modernas utilizam laser para corrigir o grau do paciente e são chamadas de LASIK ou PRK.

No passado era utilizada uma técnica chamada "ceratotomia radial", que utilizava cortes na córnea para corrigir o grau. Os resultados eram bons a curto prazo, mas alguns pacientes tinham muita variação do grau depois de anos depois da cirurgia, tornando-se hipermétropes. Por isso está técnica hoje é pouco utilizada. Já a cirurgia a laser, embora mais recente, tem seguimento mais longo e os resultados parecem melhores. O laser é capaz de alterar a espessura e formato da córnea, como se realizasse uma modelagem, corrigindo a miopia. Apresenta algumas vantagens em relação à ceratotomia radial, entre elas o risco muito menor de infecção, a impossibilidade de perfuração da córnea e também uma estabilidade maior dos resultados.

Em ambos os procedimentos é importante que o paciente converse longamente com seu médico, tire todas as suas dúvidas e conclua qual forma cirúrgica lhe oferecerá mais benefícios e menos riscos. Mais importante que a cirurgia é verificar se o olho do paciente é um bom candidato para o procedimento. Muitos pacientes apresentam córnea muito fina ou astigmatismo que torna a cirurgia arriscada, por isso muitos pacientes são aconselhados a não operar e aguardar até que uma técnica mais avançada esteja disponível.


6. O que são miopia e hipermetropia? E astigmatismo?

A miopia é uma alteração do grau do olho que faz com que o paciente enxergue com nitidez o que está próximo e tenha dificuldade de ver o que está longe. Isso ocorre porque o olho é um pouco "maior" do que o ideal. Geralmente este crescimento ocorre na puberdade e os jovens ficam míopes durante a adolescência. Na hipermetropia é o contrário. É como se o olho tivesse crescido pouco, e os raios de luz encontram-se somente depois da retina. O curioso é que os hipermétropes normalmente têm boa visão para perto e para longe até os 40 anos de idade, quando a visão de perto fica ruim.

Um míope nunca enxerga bem para longe sem o uso de lentes corretivas enquanto o hipermétrope consegue ajustar o grau dos olhos pelo processo conhecido como acomodação, por isso é muito mais comum encontrarmos pessoas míopes do que hipermétropes utilizando óculos. A miopia é corrigida com lentes negativas, sem elas o paciente não tem boa visão. A hipermetropia é corrigida com lentes positivas em casos de grau alto ou pacientes acima dos 40 anos de idade.

Explicar o astigmatismo é mais complicado. A melhor maneira de fazê-lo é comparar a superfície da frente do olho com uma bola de futebol do tipo americano. Com formato elíptico, essa bola tem o raio de curvatura maior em um eixo do que no outro, fazendo o foco dos raios de luz chegarem de maneira diferente na retina. Esse problema é corrigido com o uso de óculos, lentes de contato ou cirurgia.


7. A partir de que idade a vista começa a "ficar cansada"? Tem como evitar?

O olho não foi feito para durar o tempo que felizmente já se vive. Muitos pacientes precisam de óculos desde a adolescência, mas é marcante o fato de que depois de 40 anos de idade quase todos oa pacientes precisam de óculos para enxergar bem para longe e para perto. A baixa de visão para perto é conhecida como "vista cansada" e começa ao redor dos 40 anos de idade. Pacientes que não usavam óculos começam a ter dificuldade para perto e tem que afastar o texto para ler com conforto. Mesmo os míopes têm dificuldade quando estão com seu óculos para longe. Este evento acontece em todos os seres humanos do planeta e é determinado pelo relógio biológico, extremamente preciso.

Os pacientes míopes têm a opção de retirar seus óculos e, com a miopia, enxergar melhor para perto.

A melhor maneira de corrigir este problema é com o uso de óculos, mas lentes de contato também ajudam. Os tais "óculos prontos", ou "óculos de farmácia" ajudam pacientes sem necessidade de grau para longe a enxergar para perto depois dos 40 anos de idade. Ainda não existe cirurgia confiável para corrigir este problema.


8. O uso de lentes de contato, em vez de óculos, causa algum tipo de problema? Quando não é indicado seu uso?

O uso das lentes de contato no lugar de óculos normalmente não causa problema. No entanto, as lentes ficam em contato íntimo com as córneas e, se elas estiverem sujas ou infectadas, podem levar essa sujeira ou infecção à córnea e causar uma série de doenças. Por isso é que o paciente deve receber informações claras a respeito da limpeza e manuseio correto das lentes de contato, a frequencia de troca e os sintomas que indicam algum problema de saúde. Quem usa lentes de contato deve entender que está usando um recurso óptico moderno e bastante seguro, mas que pode, eventualmente, levar a algumas complicações sérias. É importante enxergar bem e sentir-se bem, e os olhos devem estar com aspecto normal. Ou seja, pode haver algo errado se o olho estiver vermelho, a visão estiver ruim ou o paciente estiver com a lente incomodando. Neste caso ligue para seu oftalmologista porque pode ser necessária uma consulta para verificar se tudo está bem e corrigir o problema.


9. Lentes de contato coloridas para "mudar a cor do olho" são prejudiciais à visão?

As lentes de contato coloridas são feitas basicamente do mesmo material que as lentes de contato com grau, com a diferença de terem incorporado um pigmento colorido. As lentes modernas são semelhantes às incolores, permitem oxigenação adequada da córnea e são muito seguras. Porém, observamos que muitos pacientes se tornam intolerantes e acabam abandonando o uso das lentes coloridas.

Em alguns casos a lente pode causar visão embaçada e isso pode ser resultado de uma maior secreção dos olhos devido a uma irritação causada pela lente de contato. Entretanto, o fato da vista ficar embaçada não significa, necessariamente, que a visão será prejudicada. Avise seu oftalmologista se o embaçamento for frequente e se não melhor logo após a retirada da lente. Também suspenda o uso se o olho ficar vermelho ou com sintoma de areia nos olhos ou dor. Sempre é bom conversar com seu oftalmologista no caso destes problemas.


10. Por que algumas pessoas apresentam uma pequena membrana branca que recobre determinada parte do olho? O que é isto e como tratar?

Isto se chama pterígio — um tipo de "cicatriz" em forma de membrana que cresce na conjuntiva (parte transparente que recobre a parte branca do olho) em direção à córnea (parte transparente na frente do olho). Este pterígio geralmente ocorre na região do olho perto do nariz, mas pode aparecer também do lado temporal (lateral) da córnea. Quando não provoca sintomas ao paciente, não deve ser tratado porque tem pequena chance de piorar ou virar um câncer.

Quando necessário, o tratamento é a remoção com cirurgia e mesmo com as técnicas mais modernas pode haver recidivas (a volta do pterígio). Por isso, a indicação cirúrgica existe apenas quando o pterígio incomodar (muitos sintomas como ardor, vermelhidão, incomodo com luz, etc.), ou quando o crescimento do pterígio atingir a parte mais central da córnea, interferindo na visão ou incomodando muito a estética do paciente.


11. Sensação de areia no olho? Quais as causas e o que significam?

Esta sensação, chamada de "sensação de corpo estranho" ou de areia nos olhos é muito comum e pode acontecer em muitos casos. Geralmente é causada pela camada mais superficial do olho e indica uma irritação. Causas comuns para esta sensação são: olho seco, conjuntivite, alergia ou mesmo alguma partícula de sujeira na superfície do olho.

Este sintoma geralmente não indica doença séria, mas se não melhorar com lavagem simples do olho ou uso de colírio lubrificante é importante ser examinado por um oftalmologista que vai determinar a causa do problema.


12. Qual o motivo de enxergar um pontinho preto ou "mosquinha" na visão?

Uma grande parte do olho é preenchida por uma gelatina chamada vítreo. Desde que nascemos começam a acontecer alterações do organismo relacionadas à idade, e em função dessas alterações a gelatina do vítreo vai mudando de consistência. Podem aparecer pequenas opacidades ou "sujeiras" flutuando dentro do olho. Alguns pacientes dizem que estas opacidades parecem "bichinhos ou aranhas".

Com a idade, a mobilidade desses pontos aumenta, porque o vítreo vai se tornando mais líquido. Geralmente o paciente observa estas opacidades em ambientes iluminados, porque está enxergando a sombra da opacidade na retina. Elas são mais freqüentes e aparecem mais precocemente em pacientes míopes, que sofreram pancada na cabeça ou cirurgia no olho.

Ao redor dos 50 ou 60 anos, quase todas as pessoas apresentam tal sensação. Ela não tem gravidade mas, infelizmente, não tem tratamento. Qualquer paciente que apresente um aumento no número ou no tamanho desses pontos, principalmente quando acompanhado de reflexos luminosos ou sensação de "estrelinhas brilhantes", deve ser avaliado pelo médico oftalmologista pelo risco da retina ser machucada quando o vítreo descola.

Ele vai medir a visão e dilatar a pupila com auxílio de colírios e examinar toda a retina com o oftalmoscópio indireto. Isso permite garantir que a retina não está machucada.

Leia sobre moscas volantes com maior detalhe neste link: http://www.clinicabelfort.com.br/pt/sua-saude/doencas/moscas-volantes/


13. O que causa o escurecimento da visão quando uma pessoa se levanta rapidamente?

Esse tipo de escurecimento visual, em algumas pessoas, é causado pela diminuição da pressão do sangue no olho. Da mesma maneira que algumas pessoas têm tontura quando levantam muito depressa, chamado de "hipotensão postural". Quando cai a pressão, a retina, que precisa de sangue e oxigênio para funcionar normalmente, fica momentaneamente prejudicada. Geralmente a visão volta ao normal depois de alguns instantes.


14. Em que caso é freqüente a alteração lacrimal?

A alteração lacrimal é muito freqüente em mulheres acima de 50 anos de idade, sendo comumente associada às alterações hormonais que aparecem nessa fase da vida. Os pacientes queixam-se da sensação de olho seco ou "com areia", bem como de intolerância à fumaça e aos ambientes com ar condicionado, sempre ao final do dia.

Alguns pacientes também se referem à sensação de nuvem espessa que afeta o campo de visão. O médico oftalmologista vai examinar os olhos e, de acordo com o caso, receitará colírios de lágrimas artificiais que vão substituir a lágrima e fazer desaparecer os sintomas ou, então, recomendará outros tratamentos como colírios especiais, uso de plugs para tampar o ponto lacrimal, etc.

Alguns pacientes mais velhos podem ter associado ao olho seco alteração do posicionamento das pálpebras, o que pode gerar um quadro de lacrimejamento. Na verdade o lacrimejamento em muitas causas é a tentativa do olho de melhorar sua lubrificação e o olho seco é a causa do problema. Um exame oftalmológico pode determinar a causa do lacrimejamento.


15. O que determina a cor dos olhos de uma pessoa?

A cor dos olhos de uma pessoa é determinada pela cor da parte do olho chamada íris, que fica localizada atrás da córnea. O buraco no centro da íris é a pupila, normalmente de cor negra, uma vez se abre para dentro do olho, de onde a luz não reflete. A cor do olho, da mesma maneira que a pigmentação da pele, é determinada por fator genético.

É muito comum as crianças nascerem com a íris apenas parcialmente pigmentada, dando a impressão de que terão olhos azuis ou verdes. Com o passar dos primeiros anos, a pigmentação normal se estabelece.


16. Qualquer uma pessoa pode ter catarata? A catarata cega?

Qualquer pessoa pode ter catarata. Aliás, a catarata é como cabelo branco, todos as pessoas vão terão catarata se viverem o suficiente. Todas as pessoas, a partir de uma certa idade, têm algum grau de catarata. É a causa mais importante de cegueira no mundo. Felizmente é um tipo de cegueira curável.

A catarata é a opacidade da lente dentro do olho, normalmente transparente. Ela fica atras da pupila e é difícil de ser vista a olho nu. A catarata piora a visão e pode até cegar por impedir a entrada de luz no olho.

A cirurgia de catarata é uma das mais bem sucedidas da medicina, com grande possibilidade de cura e sem a necessidade de o paciente ficar dias no hospital. O processo é delicado e complexo para o cirurgião, usa equipamentos ultra modernos, mas é simples e sem dor para o paciente. Sob efeito de anestesia na forma de colírio a catarata é removida, e no lugar dela é colocada uma lente artificial chamada implante ou lente intra-ocular. Dessa maneira evita-se que após a cirurgia o paciente tenha que usar óculos grossos, como antigamente.


17. O que é uveíte?

Uveíte significa inflamação dentro do olho. Essas inflamações podem ser causadas por uma infecção como toxoplasmose ou HIV-AIDS, ou causa não-infecciosa (como por exemplo, devido a doenças reumáticas). A uveíte pode acometer um ou os dois olhos, apenas a parte da frente (iridociclite), a detrás (retinite ou córioretinite) ou o olho todo. Os que o paciente sente varia de acordo com a parte do olho que está inflamada. Existem uveítes que praticamente não apresentam sintomas. Outras que provocam muita dor, embaçamento visual e vermelhidão. Freqüentemente causam opacidades na visão, que faz o paciente dizer que está enxergando "manchas boiando na sua frente", além de provocar uma menor clareza na visão tanto para longe quanto para perto.


18. Em um acidente, os olhos podem saltar da cara?

Só em desenhos animados. Os olhos estão presos por músculos, nervos ópticos e outras estruturas. Assim, é quase impossível que em um acidente eles sejam projetados para fora da órbita. O que pode acontecer é que uma pancada violenta ou tiro na face quebre os ossos da órbita e os olhos se desloquem de posição.


19. O que acontece se o olho for furado?

O olho é uma estrutura muito delicada e tem a constituição de uma "bola" com conteúdo transparente que permite a passagem de luz até a retina, que reveste o olho por dentro e permite enxergar.

Qualquer ferimento perfurante pode machucar as estruturas oculares, causar sangramentos dentro do olho e até a saída do material que preencher o olho. Isso é muito grave e difícil de consertar. O fato pode acarretar a atrofia do globo ocular, com perda de visão e diminuição de tamanho. Isso é corrigido por meio de lentes ou prótese estética, após a retirada cirúrgica do olho atrófico.

Esta pergunta nos lembra quão importante é prevenir o trauma ocular, já que mesmo com bons médicos e equipamentos avançados é difícil reparar o dano depois do acidente. Óculos de proteção devem ser utilizados em atividades de risco como trabalho em oficina, produtos químicos e esportes de risco.


20. Como contraímos uma conjuntivite? Ela sempre é contagiosa?

Conjuntivite quer dizer inflamação da conjuntiva, a fina membrana que recobre a parte branca do olho e de dentro das pálpebras. Quando ela está inflamada os vasos sangüíneos ficam mais aparentes, causando o aspecto avermelhado. A inflamação pode ser infecciosa ou não. Irritação e alergia podem causar conjuntivite e são exemplos de causas não infecciosas.

A infecciosa pode ser causada por vírus ou bactérias. As conjuntivites bacterianas são muito raras e só afetam crianças recém nascidas, pacientes com doenças graves da superfície do olho ou que fizeram cirurgia ocular. Como regra, quando a pessoa "pega uma conjuntivite" estamos falando da conjuntivite viral.

As conjuntivites virais são causadas por vírus semelhantes aos do resfriado e da infecção de garganta. Freqüentemente afetam os dois olhos, sendo um olho atacado antes do outro, e costumam incomodar muito. Provocam intolerância à luz (fotofobia), vermelhidão, lacrimejamento e secreção no olho. Muitos pacientes acordam com os olhos grudados pela manhã. Em cerca de duas semanas desaparecem sem deixar seqüelas, exceto em raros casos, em que acometem a córnea.

A conjuntivite viral é contagiosa e mais freqüentes nos meses de verão e em agrupamentos populacionais, como em piscinas e praias. Em piscina utilizam-se substâncias que matam bactérias e alguns outros organismos que transmitem doenças, mas que não matam os vírus. Cuidado com objetos de uso comum como toalhas e lugares onde outras pessoas vão colocar a mão como maçaneta de porta, mouse do computador, etc. Se estiverem contaminados o paciente pode levar o vírus até o olho e desta maneira outras pessoas são afetadas.

São várias as maneiras de tratar a doença, mas somente o oftalmologista pode indicá-las. Não deve ser utilizado colírio de corticóide e os pacientes devem ter cuidado com colírios recomendados por amigos ou mesmo na farmácia. Se uma conjuntivite já se instalou e os olhos estão irritados o melhor a fazer é compressa de água fria duas ou três vezes ao dia. Não é necessário que seja com água boricada, basta usar água filtrada ou mineral. No caso de piora da visão ou dor é recomendável consultar um médico oftalmologista.

Saiba mais sobre conjuntivite viral e assista explicação do Dr Rubens Belfort neste link: http://www.clinicabelfort.com.br/pt/sua-saude/doencas/conjuntivite-viral/


21. Pálpebras caídas e papadas nos olhos trazem algum tipo de conseqüência à visão? É aconselhável a cirurgia plástica?

Pálpebras caídas e papadas nos olhos não trazem nenhum tipo de conseqüência à visão, exceto naqueles casos raros em que a pálpebra superior está tão caída que impede a abertura do olho. A cirurgia plástica nas pálpebras, como em outras partes do corpo, é determinada pelo paciente, por questão estética. Nos casos em que a pálpebra apresenta pele em excesso que "pesa" sobre os cílios, a cirurgia também trás maior conforto para oa pacientes.

Esta cirurgia é chamada de blefaroplastia e vale lembrar que é um tipo de cirurgia especializada, que tanto cirurgiões plásticos como oftalmologistas podem realizar, desde que capacitados e com experiência de cirurgia nessa parte do organismo.


22. Em que situação realiza-se um transplante de córnea? O sucesso é garantido?

O sucesso nunca é garantido em nenhuma cirurgia, qualquer que seja. Em toda intervenção cirúrgica, além dos fatores relacionados ao médico e à medicina, existem os relacionados ao paciente e os chamados fatores imponderáveis ou acidentais.

O transplante de córnea é realizado quando a córnea está opaca. Quando ela se opacifica por doenças infecciosas ou degenerativas, o paciente deixa de enxergar e a cirurgia de transplante da córnea pode ser indicado.

É uma cirurgia realizada há mais de 50 anos, com bons resultados. Nos últimos anos novas técnicas têm melhorado ainda mais o resultado desta cirurgia. Mesmo assim é um transplante de órgão, com pequeno risco de rejeição, infecção e aumento de pressão do olho (glaucoma). É importante que o paciente converse com o médico sobre a cirurgia, muitas vezes o paciente tem um olho doente e o outro saudável e neste caso pode não ser preciso transplantar a córnea.


23. Visão dupla é problema oftalmológico ou neurológico?

Depende. Se o paciente tem visão dupla com um dos olhos fechados geralmente é um problema do olho, e pode ser simples falta de óculos.

No caso da visão dupla com os dois olhos abertos temos que pensar num problema neurológico ou dos músculos que mudam a posição dos olhos. A visão dupla é causada pelo não-alinhamento adequado dos olhos. Assim, um olho fornece ao cérebro uma visão diferente daquela fornecida pelo outro, ocorrendo a imagem dupla. O paciente termina naturalmente por fechar um dos olhos. A maior parte dos problemas causadores de visão dupla diz respeito à musculatura extrínseca dos olhos, entre causas comuns estão diabetes, pressão alta e alteração da tireóide.

Raramente a visão dupla pode ser sinal de doença mais séria no corpo ou cérebro, como tumores intracranianos, aneurismas ou doenças sistêmicas ou imunológicas. Assim, pode ser tratada pelo neurologista ou pelo oftalmologista, desde que tenham conhecimento para fazer a análise do problema. Um bom exame clínico e exames de imagem como ressonância magnética costumam ajudar a identificar a causa do problema.


24. Existe alguma característica específica da dor de cabeça de origem ocular? Em que situação ela costuma se manifestar?

As dores de cabeça (cefaléias) são um sinal muito inespecífico, que pode estar relacionado a problemas nos olhos ou nos seios para-nasais (sinusites), às enxaquecas, às tensões psicológica ou muscular e, em situações mais raras, a tumores intracranianos ou problemas de articulação mandibular.

As cefaléias de causa ocular podem ser devidas à necessidade de óculos ou a doenças da córnea, como o glaucoma. Crianças até 10 anos de idade raramente têm dor de cabeça relativa à necessidade de óculos por problemas mais sérios. Dores assim geralmente ocorrem após esforço visual relacionado ao estudo e à leitura. Quando a dor de cabeça acontece por esforço visual, o paciente não costuma acordar se queixando dela, como ocorre nos casos de doenças oculares relacionadas ao glaucoma ou a outras inflamações.


25. O que é fotoceratite?

Fotoceratite é a ceratite (machucado na córnea, que é a parte transparente na frente do olho) causada pela luz. Ela ocorre principalmente em pessoas que trabalham com soldas elétricas, que produzem a emissão de radiação. Algumas vezes, pode acometer também pessoas que passam muitas horas seguidas expostas à luz ultravioleta (esquiando na neve ou na água, por exemplo).

Na prática estes pacientes têm dor depois de 4 a 12 horas depois da exposição à radiação, o paciente sente muita dor e impossibilidade de abrir os olhos pelo incômodo provocado pela luz (fotofobia).

O quadro é quase sempre autolimitado, desaparecendo rapidamente mesmo sem tratamento. O médico neste caso pode tratar a dor do paciente e orientar óculos de proteção para impedir outras crises.


26. A AIDS costuma provocar alterações oculares?

Cerca de 30% dos pacientes com AIDS morreriam cegos se não fossem tratados especificamente das doenças secundárias. Essas doenças freqüentemente lesam a retina e outras partes do olho, levando à cegueira. As mais importantes são as infecções da retina (retinite) causadas pelo citomegalovirus (CMV) ou pelo toxoplasma.

Todos os soropositivos, principalmente aqueles que estão com sua defesa já bastante debilitada pela infecção, devem periodicamente ter os olhos examinados. Devem também ser instruídos a não usar lentes de contato ou, então, a usá-las com todos os cuidados pertinentes, uma vez que estão mais sujeitos a infecções decorrentes do uso das lentes de contato. É importante que sejam orientados a procurar o médico oftalmologista sempre que notarem algo estranho nos seus olhos ou na visão.


27. Quais as causas dos derrames que surgem nos olhos? Pode trazer conseqüências ?

Os pacientes que se queixam de "derrame intra-ocular" geralmente usam este termo de maneira incorreta porque o derrame que o paciente enxerga no espelho, na parte branca do olho, ocorre na região de fora do olho. A hemorragia intra-ocular mesmo (que ocorre dentro do olho) é mais séria e não altera o aspecto externo do olho. Neste caso o paciente fica com a visão ruim, mas as pessoas olhando de fora sem equipamento especial não conseguem ver o sangramento, que só é identificado pelo exame de fundo de olho. A hemorragia sub conjuntival (que causa a mancha vermelha) quase sempre não tem gravidade alguma e pode se repetir no mesmo olho ou no outro.

Em alguns pacientes, a hemorragia ocorre durante a noite, sendo notada apenas pela manhã. Outros se assustam ao perceberem-na de repente. Muito raramente, o derrame pode estar relacionado a problemas sangüíneos, a medicamentos ou à hipertensão arterial. Quase sempre não tem uma causa determinada, podendo ser conseqüência do rompimento de um vaso superficial mais frágil ou de um pequeno trauma. O derrame desaparece sempre dentro de algumas semanas, e quando repetido no mesmo local pode ser tratado por meio de laser ou de uma aplicação microcirúrgica. Algumas vezes o uso de compressa quente abrevia o tempo de resolução. Colírios ou pomadas não têm ação sobre o derrame.

Já as hemorragias intra-oculares relacionadas à retina são mais importantes e necessitam sempre de acompanhamento do médico oftalmologista. São ocorrências secundárias do diabetes, das oclusões vasculares (tromboses), da hipertensão arterial ou de doenças inflamatórias, entre outras. Quando são causadas por doenças sistêmicas (ou seja, que afeta todo o corpo), como hipertensão e inflamações, a doença deve evidentemente ser tratada. Em casos especiais, o oftalmologista pode, por intermédio do laser ou aplicação de medicamentos dentro do olho, impedir o aumento dessas hemorragias. Apenas a cirurgia intra-ocular (vitrectomia) pode remover o sangue, quando ele não é absorvido pelo organismo.


28. Quando devo levar meu filho no oftalmologista?

O bebê faz a primeira triagem de problemas oftalmológicos assim que nasce, ainda pelo médico pediatra neonatologista e este exame é chamado de “teste do reflexo vermelho”. O mesmo teste deve ser repetido aos três meses de idade, também pelo pediatra e no caso de estar alterado a crianca deve ser examinada por um oftalmologista especializado assim que possível. Doenças como prematuridade, catarata congênita e retinoblastomas podem alterar este exame e, apresar de muito raras, devem ser tratadas rapidamente. Se tudo estiver bem a criança deve ser examinada por um oftalmologista aos 3 e aos 5 anos.

A também criança deve ser examinada por um oftalmologista sempre que os pais percebam alterações como estrabismo (quando um olho da criança parece estar torto ou desalinhado em relação ao outro), alergia (quando a criança tem coceira nos olhos), trauma (algum acidente ou trauma que envolva o olho), alteração visível do olho da criança (mancha, alteração na transparência da córnea, etc) ou quando percebem que a criança não esta enxergando bem.

Durante a infância a criança não enxerga tão bem como os adultos e isto é normal, faz parte do desenvolvimento da visão. Apenas aos 6 anos de idade a criança tem a visão desenvolvida como a de um adulto e é importante identificar problemas até esta idade porque muitas vezes quando tratados a criança ainda tem tempo de desenvolver a visão no olho pior. Desta maneira, durante os primeiros anos de vida, não havendo os problemas mencionados acima (estrabismo, etc) o mais importante é garantir que os dois olhos tenham visão semelhante.

Os pais podem fazer testes simples em casa para saber se a visão entre os dois olhos é parecida:

Com as crianças menores, sugerimos mostrar um livro ou brinquedo colorido e enquanto a criança brinca, tampar um olho de cada vez. Normalmente a criança quer destampar o olho, mas continua brincando enquanto isso. Se a criança apresenta uma reação pior, ficando muito irritada quando o mesmo olho é tampado isso pode demonstrar que o outro olho tem a visão pior, sendo necessário um exame oftalmológico para descartar qualquer problema.

Com as crianças já maiores fica fácil para os pais mostrarem figuras ou objetos para a criança e pedir para que ela o descreva, tampando um olho de cada vez.


29. Já existe evidência científica de que o tratamento com células tronco funcione no tratamento de doenças da retina?

Não!!

Infelizmente ainda não é possível tratar pacientes com doenças da retina com o uso de células tronco. Nos melhores resultados científicos publicados observou-se que a injeção destas células não piora a doença, mas não existe NENHUM trabalho científico sério que comprove que este tratamento seja eficiente (que melhore a visão do paciente quando comparado a um grupo controle). Se tivéssemos que responder a esta pergunta com apenas uma palavra seria "Não". As pesquisas avançam rápido, mas até esta data (Dezembro de 2013) ainda não temos conhecimento de nenhum tratamento comprovado para estas doenças envolvendo células tronco.

Infelizmente podem existir médicos que agem de má fé, buscando apenas benefícios econômicos ao oferecer "tratamento com células tronco". Por favor seja crítico ao observar que tratamentos experimentais só são oferecidos em algumas clínicas particulares ou mesmo em instituições que não publicam seus resultados comprovando o benefício do tratamento (incluam-se nesta lista hospitais em Cuba e outras clínicas no Brasil e América Latina).

Como regra este tratamento deve ser realizado como parte de protocolo de pesquisa, sem qualquer gasto do paciente para participar - nem mesmo exames para saber se o paciente pode ser beneficiar participando de um estudo. Isso é uma regra ética que tem como objetivo proteger os pacientes de "pesquisas" que visem lucro e não seu bem estar.


30. Quando devo procurar um oftalmologista?

Em consultas preventivas anuais (para checar o grau, pressão e examinar a retina) fazendo prevenção de doenças ou com maior freqüência em casos especiais. Você também deve passar em consulta quando você tiver baixa de visão, embaçamento, coceira ou alergia nos olhos, dor nos olhos ou qualquer outro sintoma que incomode.

Sabemos que depois dos 40 anos de idade o olho passa por algumas alterações como a piora da visão para leitura (chamada presbiopia) e a chance do aparecimento de algumas doenças como glaucoma, retinopatia e catarata aumenta. O glaucoma, por exemplo não causam sintomas no inicio mas depois de algum tempo podem causar perda da visão irreversível.

Doenças perigosas para o olho e que fazem necessárias visitas mais frequentes ao oftalmologista são: diabetes, glaucoma, miopia maior que 6 graus, câncer ou tratamento com quimioterapia, doença reumática ou trauma / acidente que envolva os olhos.


31. O que é o estrabismo?

O estrabismo consiste no desalinhamento dos olhos, que normalmente estão alinhados. Enquanto um dos olhos olha para frente o outro está olhando em outra direção, daí o nome convergente quando o olho está desviado para o lado do nariz e divergente quando está desviado para fora. Também pode haver alteração da posição para cima e para baixo. O estrabismo é chamado popularmente de olho torto e pode ser corrigido com cirurgia oftalmológica no adulto e as vezes apenas com o uso de óculos nas crianças.


32. Quais são os tipos de estrabismo?

Existem vários tipos de estrabismo, que são classificados de acordo com a posição anormal do olho. Temos a esotropia ou desvio convergente (desvio dos olhos para dentro, "torto" para lado do nariz), a exotropia ou desvio divergentes (desvio dos olhos para fora) e os desvios verticais (um olho fica mais alto ou mais baixo do que o outro).


33. O estrabismo é um problema apenas de "olho torto"?

O estrabismo não é apenas um problema de posicionamento dos olho. Em crianças, o estrabismo não tratado pode levar à baixa visão em um dos olhos - neste caso o olho não "aprende" a enxergar. Esta baixa de visão, que muitos chamam de "olho preguiçoso" recebe o nome de ambliopia. O estrabismo também compromete a visão binocular, chamada estereopsia, que permite que o paciente veja em 3D.

Além disso, pacientes com estrabismo podem ter problemas psicológicos, sociais e econômicos relacionados ao desvio ocular. O tratamento desta doença em crianças deve sempre começar pela ambliopia, garantindo o desenvolvimento da visão e, se necessário, operar o estrabismo depois.


34. Quais são os sintomas de estrabismo?

Estrabismo é o nome da doença caracterizada pelo desalinhamento dos olhos, ou "olho torto". O sintoma óbvio do estrabismo é o desvio dos olhos, um olho "torto" em relação ao outro. Quando o paciente olha em frente, o outro olho pode estar olhando para o lado, para cima ou para baixo. Esta alteração é percebida pelos pais de crianças, já que as crianças muitas vezes não sentem nada e não reclamam do estrabismo.

Em alguns casos ocorre o chamado "micro desvio" que pode alterar a visão sem que as pessoas ao redor do paciente percebam o olho desviado. Neste caso um exame oftalmológico ajuda a diagnosticar o desvio.

Em outros casos, como em pacientes adultos ou mesmo em crianças, podem aparecer sintomas como dor de cabeça, visão dupla (diplopia), dificuldade para ler, lacrimejamento, torcicolo (ou posição alterada da cabeça) e dor ocular.


35. Como tratar o estrabismo?

Há tratamentos diferentes para os diferentes tipos de estrabismo. Alguns são corrigidos apenas com o uso de óculos, outros com uso de óculos e cirurgia de estrabismo e há aqueles que são corrigidos apenas com a cirurgia. Em alguns casos pode ser realizado o tratamento do estrabismo com toxina botulínica.

A cirurgia do estrabismo é segura e tem bons resultados, diminuindo ou eliminando o desvio dos olhos.

A oclusão de um dos olhos é utilizada principalmete para o tratamento da ambliopia (baixa de visão de um olho) em crianças e não para tratar o desvio propriamente dito.


36. A ambliopia pode ser tratada até que idade?

A ambliopia pode ser tratada em crianças, geralmente até os 7 anos de idade. Ainda não há ainda tratamento efetivo e duradouro para ambliopia quando diagnosticada em adolescentes ou adultos. Os fatores mais importantes para o sucesso no tratamento da ambliopia são a idade do paciente quando iniciado o tratamento (quanto mais novo melhor o resultado) e a acuidade visual no início do tratamento.

Mesmo nos casos que não podemos tratar a ambliopia a correção cirúrgica do estrabismo (olho torto) continua podendo ser realizada, com finalidade estética.


37. Nadar com os olhos abertos faz mal?

Em princípio não. Nadar em água suja ou com muito cloro pode deixar os olhos sensíveis, irritados ou mesmo causar uma conjuntivite. Técnicas mais modernas possibilitam piscina com água limpa sem cloro. Nadar sem óculos, desde que em água limpa, como nas piscinas de água tratada, não é prejudicial à visão nem aos olhos, mas pode irritá-los. Um óculos de natação pode proteger os olhos de tal irritação e é uma boa idéia para nadadores e pessoas com olhos sensíveis.