Agendamento
Telefone: (55) 11 3062-0517

O diabetes é a doença caracterizada pela elevação da glicemia, que é a medida de açúcar no sangue. Dentre os órgãos acometidos pela diabetes estão o coração, os rins, os pés e os olhos. O açúcar aumentado no sangue causa uma alteração vascular, danificando os pequenos vasos sanguíneos, que ficam doentes e deixam de funcionar de maneira adequada. Esta alteração cria áreas com problema de irrigação sanguínea, as chamadas áreas de isquemia. Os pacientes diabéticos podem ter problemas nos rins, doença chamada de nefropatia, além de problemas vasculares e de sensibilidade nos pés, o chamado pé diabético.

Após alguns anos de diabetes mal controlado podem aparecer problemas nos olhos, como catarata e alterações na retina. A retinopatia diabética, como é chamada, podendo apresentar sangramentos e edema (“inchaço”). O paciente não sente dor e muitas vezes só tem sintomas na visão quando a doença está muito avançada, com risco de ficar cego.

A principal causa de baixa de visão nos pacientes com doença na retina pela diabetes é chamada de edema macular diabético e deve-se a um edema (ou inchaço) na região da retina responsável pela visão de detalhes. Hoje em dia existem alguns tratamentos que podem ajudar a melhorar este edema, melhorando a visão. Estes tratamentos incluem a aplicação de laser e a aplicação de medicação intra-ocular (corticoide ou anti-VEGF).

O diabetes também pode causar alteração no resto da retina, que chamada retinopatia proliferativa, onde aparecem vasos anômalos que podem causar sangramentos dentro do olho e até descolamento de retina. Nestes casos o paciente pode ser tratado com medicação dentro do olho ou com aplicação de laser.

Como é o exame ocular do paciente diabético?

O médico vai medir a visão do paciente, saber há quantos anos ele apresenta diabetes e se a doença está bem controlada pelo valor da glicemia e da hemoglobina glicosilada. Em seguida o médico vai dilatar a pupila do paciente e realizar o “exame de fundo de olho” que permite ver a retina.

As vezes são necessários exames complementares depois de realizar o exame de fundo de olho com as pupilas dilatadas. Entre estes exames podem ser pedidos uma retinografia, que é uma fotografia do fundo de olho, uma angiofluoresceinografia, que é um exame de contraste e um OCT (tomografia de coerência óptica) que ajuda a determinar áreas de edema da retina e se existe tração (ou seja, componentes do vítreo puxando a retina).

Como regra, todo paciente com diabetes devem ser examinados anualmente, desde o momento do diagnóstico.

Tratamento do diabetes

Ainda não existe cura para a retinopatia diabética, mas há como evitá-la e evitar que ela piore. O médico clínico geral ou endocrinologista deve orientar o pacientes em relação à dieta, prática de esportes, uso de hipoglicemiantes orais ou insulina para manter os níveis de glicemia bem controlados e diminuir a chance de retinopatia diabética, ou diminuir a chance dela progredir.

Sugerimos que o paciente seja submetido ao exame de fundo de olho no momento do diagnóstico da diabetes e depois anualmente, desta maneira se forem identificadas alterações na retina o tratamento pode ser rápido, melhorando o chance do paciente continuar enxergando bem. Apesar de todas a tecnologia moderna e os tratamentos disponíveis, o controle do diabetes ainda é o mais importante para que o paciente diminua o risco de ter problemas de visão pela doença.

Complicações:

Além do edema de mácula, o paciente com doença na retina pode desenvolver a forma proliferativa da doença, onde vasos anômalos aparecem para tentar substituir os vasos doentes, mas acabam causando ainda maior dano. Esta forma proliferativa da doença pode causar hemorragias dentro do olho, aumento da pressão intra-ocular (glaucoma neovascular) e descolamento tracional de retina.

Tratamento da retinopatia:

Depois que a a diabetes mal compensada causou lesão vascular e doença da retina, o tratamento pode ser realizado com laser (argônio ou Pascal), aplicação de medicamentos dentro do olho (como Avastin® – bevacizumab, Lucentis® – Ranibizumab, ou corticoide como triancinolona ou implantes intra vítreos como Ozurdex®), dependendo do caso. Também pode ser necessário cirurgia em casos de sangramento intra-ocular e descolamento de retina.

O tratamento tenta impedir maior perda de visão e as vezes ajuda a recuperar visão, mas é fundamental manter a glicemia bem controlada.

Um novo laser, chamado Pascal, possibilita tratar os pacientes com menos dor e sem a necessidade de realizar diversas sessões de tratamento, como acontece com o laser de argônio tradicional. Este laser permite também tratar crianças maiores, que antes tinham que ser tratadas sob anestesia geral.

Novas pesquisas sendo realizadas estudam novos tratamentos para esta doença.

A Clínica Belfort possui a solução mais completa para as doenças oculares. Além de tratamento com os melhores profissionais do país, a clínica conta com os mais diversos exames e cirurgias oftalmológicas.

Para agendar uma consulta com a nossa equipe, é só entrar em contato por e-mail ou ligar em um dos nossos telefones.

 

 

Doenças relacionadas:

Retinopatia Diabética

 

Exames relacionados:

 

Fundoscopia (Fundo de Olho)

Angiofluoresceinografia

OCT